Espaço de reflexão sobre os Direitos Humanos. Em pleno século XXI, a humanidade encontra-se longe de atingir o respeito e a salvaguarda dos Direitos Humanos. Cada um de nós deve contribuir para alterar esta situação!
Segunda-feira, 5 de Fevereiro de 2007
A imigração como factor de discriminação

A imigração é uma realidade histórica e está estreitamente ligada com as desigualdades de desenvolvimento e riqueza entre os países. Estas disparidades têm vindo a acentuar-se resultando num aumento do número de imigrantes, muitos deles, clandestinos. Assim sendo, muitas pessoas deixam o seu país procurando melhores condições de vida além fronteiras o que provoca alterações na geografia mundial pois envolve quer o país de origem quer o país de chegada. Este facto é principalmente constatado na União Europeia, em países como Portugal, Espanha ou Itália que até há poucos anos eram países de emigrantes levando à mudança lenta e difícil da legislação, de comportamentos e até de mentalidades.

Esta mudança conduz-nos, actualmente, à descoberta, nestes e outros Estados, de relatos de imigrantes simplesmente preocupantes. Estes indivíduos são vítimas de discriminação e de inferiorização, estando o principal problema relacionado com os que não têm a sua situação legalizada. Nestes casos, a condição de ser humano parece quase nem ser respeitada e tudo se complica. O acesso a hospitais, a habitação digna, a escolas para os filhos é sempre dificultado. Apesar das dificuldades os números são alarmantes, estima-se que mais de 3 milhões de imigrantes vivam clandestinamente na União Europeia superando em 1,6 milhões os imigrantes legais. Em parte este fenómeno crescente de ilegalidade deve-se aos inúmeros passos burocráticos que são exigidos pelos Governos e ao tempo e custos que a legalização acarreta.

No entanto, quer estejam legais ou não, são ainda injustiçados pela população em geral que deles desconfia e os toma como potenciais criminosos devido à sua problemática situação económica.

Perante este cenário complexo, o único argumento a favor dos imigrantes é a sua necessidade para fazer face à falta de mão-de-obra na Europa onde  são precisos cerca de 44 milhões de imigrantes até 2050 para poder resolver esta situação deficitária. Eles são vitais quer para o crescimento económico, quer para manter o sistema de segurança social. Deste pormenor muitas pessoas não se lembram e mantêm uma atitude discriminatória e mesquinha perante estes seres humanos que têm, ou deveriam ter, os mesmos direitos que todos eles.

               Ana Margarida Santos; Belmira Silva, Catarina Peixoto, Lurdes Lopes, 12º G

 

 

 


sinto-me:

publicado por direitos-humanos às 12:47
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Maio 2007
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


posts recentes

...

A imigração como factor d...

10 de Dezembro, dia dos D...

Direitos da Mulher

Os Direitos das Mulheres ...

Contrastes

Todos os seres humanos na...

Declaração de Amor aos Ho...

arquivos

Maio 2007

Fevereiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

links
blogs SAPO
subscrever feeds